LEITURA DA VELA DE IGNIÇÃO

Apr 9

Leitura da vela de ignição para acerto, funciona?

Sim funciona, uma das ferramentas mais antigas em acerto de motores é observar o aspecto da vela de ignição após seu uso, mas isso tem um procedimento correto que iremos abordar a seguir, com analise da vela de ignição em motores turbo de alta performance usando combustível álcool ou metanol.

Recomendamos, a fim de facilitar e padronizar o processo de diagnóstico, usar uma vela de ignição novas, a NGK. O motivo é o tipo de tratamento superficial na parte metálica (bicromatização) que oferece um acabamento brilhoso, o que facilita o processo de análise das velas.

Vela de Ignição

Em fase de acerto final do motor deve-se, a cada passada, usar um jogo de velas novas para observação, onde iremos analisar somente a parte metálica que está em contato com o calor da câmara de combustão (posteriormente essas velas podem ser reaproveitadas quando o processo de acerto inicial for finalizado). O primeiro contato da vela com uma temperatura correta de combustão causará uma aparência de “acetinado”, a parte metálica perde o brilho. Caso uma das velas mantenha o brilho, isso é indicativo de uma mistura rica.

Diferentes resultados de uma vela de ignição

Quando a vela muda de cor é sinal de que o acerto está correto e é possível verificar outro parâmetro, a quantidade de calor que a vela recebeu durante a combustão, indicada pela região da rosca no corpo da vela. O recomendado é que a mudança de cor não ultrapasse o segundo fio de rosca da vela, caso ultrapasse, isso indica excesso de calor gerado, que pode ser motivado por excesso de avanço de ignição ou mistura pobre (tendendo a lambda 1,00).

Diferença entre 2 velas

Ao remover a vela de ignição pode-se observar em alguns casos, que mesmo mantendo o brilho, percebe-se uma sobreposição de um pó branco. Isso é o resultado de uma combustão muito pobre. Na vela de ignição à direita, observa-se um exemplo de mistura pobre devido a diminuição da vazão do injetor da segunda bancada. A evidência que comprova isso está no pó branco previamente citado, que sobrepõe a superfície metálica da vela, onde em comparação a vela de ignição à esquerda, utilizada em outro cilindro que não apresentou o problema de vazão de combustível, observa-se o aspecto acetinado citado anteriormente.  

Velas usadas

Uma vez acertada a mistura podemos observar parâmetros relacionados ao avanço de ignição.

O eletrodo massa da vela deve ter uma cor uniforme, caso tenha uma marca branca na sua extremidade pode estar indicando o início de detonação, evidência observada na vela da esquerda levemente e mais aparente na vela da direita. Perceba, também nas duas velas citadas, pontos escuros na região plana da vela que fica exposta na câmara de combustão, onde a possível causa é de uma combustão anômala.

Eletrodo massa

Na imagem das quatro velas de ignição abaixo, pode-se perceber que na vela do cilindro dois o eletrodo derreteu completamente, fato que pode ter sido causado por ambos problemas citados. Quando a vela apresentar um arredondamento das arestas do eletrodo massa, como no cilindro três, isso indica um estágio anterior, necessitando atrasar o ponto de ignição ou enriquecer a mistura, dependendo dos outros parâmetros já vistos. Na vela pertencente ao cilindro quatro, pode-se verificar o primeiro estágio apresentado, onde o pó branco se faz presente, caracterizando mistura pobre.

Velas de Ignição

No video a seguir “Como os preparadores fazem a leitura das velas de ignição” podemos ver mais alguns detalhes dessa análise. 
Você tem interesse em saber mais sobre fazer a análise correta de dados para atingir melhores resultados? Conheça o nosso curso Nível 1 Online! Nesse curso 100% online você encontra mais de 280 vídeo aulas sobre os temas de projeto, programação e acerto de produtos FuelTech!